Hora Legal Brasileira

segunda-feira, 26 de julho de 2010

CRISTINA KIRCHNER FAZ CRÍTICAS À IGREJA POR LEI QUE PERMITE CASAMENTO GAY

BUENOS AIRES, 12 JUL (ANSA) - A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, comparou hoje a resistência da Igreja Católica à lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo à "época das Cruzadas", na tentativa de convencer os senadores, inclusive os governistas, para que aprovem a medida nesta quarta-feira.
   
A declaração da presidente, que falou sobre o tema em visita à China, responde às ações da Igreja no país contra a medida, que já foi sancionada pela Câmara dos Deputados e deverá ser votada pelos senadores nesta quarta-feira.
   
Segundo fontes do Senado, de um total de 72 legisladores, 34 estão decididos a votar contra, 26 a favor e o restante ainda não teria definido sua posição.
   
Cristina disse estar "surpresa" e "preocupada" por "expressões que falam de um projeto do demônio", em referência a um documento distribuído nas missas de ontem, e afirmou ainda que essas declarações "remetem aos tempos da Inquisição".
   
Membros de colégios católicos e de entidades religiosas, por sua vez, anunciaram que irão se reunir amanhã em frente ao Congresso para rechaçar o projeto. Na mesma região, organizações de defesa dos direitos dos homossexuais pretendem realizar uma mobilização a favor da norma.
   
Entre os que se posicionam contra a medida está o arcebispo de Buenos Aires, cardeal Jorge Bergoglio, que também é forte opositor ao governo de Cristina.
   
A medida também causou uma ruptura no governo, já que há senadores governistas que não apoiam esta iniciativa. Contudo, entre os que respaldam a proposta está o governador da província de Santa Fé, Hermes Binner, do Partido Socialista, distanciado do governo e que possui dois assentos no Legislativo.
   
Já o senador Ernesto Sanz, da União Cívica Radical (UCR), partido de oposição dos ex-presidentes Raúl Alfonsín e Fernando de la Rúa, argumentou que não houve um "debate suficiente". Anunciando que irá votar favoravelmente à norma, ele previu que senadores da UCR, que é a segunda maior força do Parlamento e que representam províncias de origem conservadora "vão votar contra o projeto".
   
Entre a população também foi registrada uma divisão de opiniões. Em Buenos Aires, pesquisas indicam que a maioria da população aprova o matrimônio igual para todos. Já no interior do país, boa parte dos cidadãos é refratária a mudanças no modelo familiar tradicional.(ANSA)

12/07/2010 19:31

Nenhum comentário: